Transporte Público na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Caos Urbano e Insustentabilidade Ambiental

Alex Sander Agrellos Modesto, Reis Friede, Márcia Teixeira Cavalcanti, Maria Geralda de Miranda

Resumo


A mobilidade urbana nos grandes centros vem sendo objeto de discussão das autoridades e sociedade, pois o que se percebe diariamente são engarrafamentos gigantescos que dificultam a mobilidade das pessoas que vivem nessas áreas. A Região Metropolitana do Rio de Janeiro não é diferente. Diuturnamente os habitantes precisam se deslocar para trabalho, lazer ou outras obrigações, na maioria das vezes de um município a outro. Em razão disso, o resultado que se vê são horas dentro dos transportes públicos ou em carros particulares. As consequências são uma vida com mais estresse, poluição sonora, poluição do ar e perda de convívio familiar, em função do tempo perdido em engarrafamentos. O efeito estufa, em que a emissão de CO2 tem papel importante, revela a necessidade de alteração do modelo produtivo, incluído obviamente o modelo de transporte, que precisa de fato ser sustentável, sob pena de agravamento das questões climáticas.

Palavras-chave


Desenvolvimento; Mobilidade Urbana; Automóvel; Meio Ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. Grassroots reframing of environmental struggles in Brasil. In: CARRUTHERS, D. V. Environmental justice in Latin America: problems, promise and practice. London: MIT Press, 2008. p. 75-97.

ALERJ. Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Lei Complementar nº 87, de 16 de Dezembro de 1997. Dispõe sobre a Região Metropolitana do Rio De Janeiro, sua composição, organização e gestão, e sobre a Microrregião dos Lagos, define as funções públicas e serviços de interesse comum e dá outras providências. Disponível em: http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/a99e317a9cfec383032568620071f5d2/eb26342129c7ae9203256571007be153?OpenDocument>. Acesso em: 14 fev. 2020.

ARAÚJO, R. P. Z. Contradições e possibilidades da regulação ambiental no espaço urbano. 2009. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2009.

BERGMAN, L.; RABI, N. I. A. Mobilidade e política urbana: subsídios para uma gestão integrada. Rio de Janeiro: IBAM, Ministério das Cidades, 2005. Disponível em: http://www.ibam.org.br/media/arquivos/estudos/mobilidade.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

BOARETO, Renato. A mobilidade urbana sustentável. Revista dos Transportes Públicos – ANTP, Ano 25, 2003, 3º trimestre.

BRASIL. Lei complementar n. 20, de 1 de Julho de 1974. Dispõe sobre a criação de estados e territórios. Brasília, DF: Presidência da República, 1974. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp20.htm. Acesso: 01 maio 2016.

BRASIL. Lei n. 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm. Acesso em: 01 maio 2016.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política nacional de habitação. Brasília, DF: Presidência da República, 2004. v. 4. Disponível em: https://www.cidades.gov.br/images/stories/ArquivosSNH/ArquivosPDF/4PoliticaNacionalHabitacao.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política nacional de mobilidade urbana sustentável. Brasília, DF: Presidência da República, 2004. v. 6. Disponível em: http://www.ta.org.br/site2/Banco/7manuais/6PoliticaNacionalMobilidadeUrbanaSustentavel.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

BRASIL. Presidência da República. Programa Brasil em ação: dois anos. Brasília, DF: Presidência da República, 1998. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/ex-presidentes/fernando-henrique-cardoso/publicacoes/programa-brasil-em-acao-2-anos. Acesso em: 01 maio 2016.

BUS RAPID TRANSIT RIO. Consorcio BRT. 2017. Disponível em: http://www.onibusdorio.com.br/p/consorcio-brt.html. Acesso em: 01 abr. 2017.

CHIAVENATO, I. Teoria geral da administração. 4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 1993.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 8. ed. Rio de

Janeiro: Elsevier, 2011.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE. Dilma garante melhorias no transporte coletivo e mobilidade urbana das cidades. Brasília, DF: CNT, 2014. Disponível em: https://cnt.org.br/agencia-cnt/dilma-investimentos-mobilidade-urbana-transporte-coletivo-10022014. Acesso em: 01 maio 2016.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução n. 18, de 6 de maio de 1986. Dispõe sobre a criação do programa de controle de poluição do ar por veículos automotores – PROCONVE. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 1986. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=41. Acesso em: 01 maio 2016.

DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Regulamento do transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. Rio de Janeiro: DETRO, 2014. Disponível em: https://www.fetranspor.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Regulamento-Detro.pdf. Acesso em: 01 abr. 2017.

FEDERAÇÃO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo do sistema de transporte por ônibus no município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FETRANSPOR, 2014. Disponível em: https://www.fetranspor.com.br/mobilidade-urbana-setor-em-numeros. Acesso em: 01 abr. 2017.

FERREIRA-NETO, F. 150 anos de transportes no Brasil 1822-1972. Brasília: Ministério dos Transportes, 1974.

GALVÃO, O. J. A. Desenvolvimento dos transportes e integração regional no Brasil: uma perspectiva histórica. Planejamento e Políticas Públicas, [S. l.], n. 13, p. 183-214, 1996. Disponível em: https://ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/viewFile/137/139. Acesso em: 01 maio 2016.

GUATTARI, F; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões Metropolitanas, Aglomerações Urbanas e Regiões Integradas de Desenvolvimento. O que é. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/divisao-regional/18354-regioes-metropolitanas-aglomeracoes-urbanas-e-regioes-integradas-de-desenvolvimento.html?=&t=o-que-e>. Acesso: 14 fev. 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Comunicados do IPEA: n. 161 – indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012. [S. l.]: IPEA, 2013. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/131024_comunicadoipea161.pdf. Acesso: 01 maio 2016.

MARTORELLI, M. Política nacional de mobilidade urbana. [S. l.]: SEMOB, 2015. Disponível em: http://www.emdec.com.br/eficiente/repositorio/6489.pdf. Acesso: 01 maio 2016.

NIGRIELLO, A. Planos nacionais de viação: a integração nacional através do caminho. São Paulo: USP, 2009.

OBSERVATÓRIO SEBRAE. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na região metropolitana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: SEBRAE, 2013. Disponível em https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/RJ/Menu%20Institucional/SEBRAE_EPG_set13_mob_urb_merc_trab_rj.pdf. Acesso em: 01 abr. 2017.

O'CONNOR, J. Capitalism, nature, socialism a theoretical introduction. Capitalism Nature Socialism, [S. l.], n. 1, p. 11-23, 1988.

PERSONAL CO2 ZERO. Ranking de veículos em emissões de CO² por km rodado. São Paulo: [s. n.], 2012. Disponível em: https://www.personalCO²zero.com/estudo_emissoes_CO²/EstudoEmissoesporKM_revisado14nov.pdf. Acesso em: 01 abr. 2017.

RIBEIRO, L. C. Q; SANTOS JUNIOR, O. A (org.). Globalização, fragmentação e reforma urbana: o futuro das cidades brasileiras na crise. São Paulo: Civilização Brasileira, 1995.

RIO DE JANEIRO (Estado). Prefeitura do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PMUS, 2017.

RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento Econômico e Turismo. Rio de Janeiro: SEPDET, 2017.

RODRIGUES, J. M. Mobilidade urbana: uma questão metropolitana. O Estado de São Paulo, São Paulo, p. A8, set. 2012. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,mobilidade-urbana-uma-questao-metropolitana-imp-,934102. Acesso em: 01 maio 2016.

SANTOS, R. A. Planos nacionais de viação: a integração nacional através do caminho. São Paulo: USP, 2008.

SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA. Política nacional de mobilidade urbana sustentável: princípios e diretrizes aprovadas no conselho das cidades em setembro de 2004. Brasília, DF: Ministério das Cidades, 2004. Disponível em: http://www.observatorioseguranca.org/documentos/METODOLOGIA%202011 /Aula%204%202011%20Mobilidade%20Urbana/P.N.%20de%20MobilidadeUrbanaSustentavel.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

SILVA, J. C. L. A estratégia brasileira de privilegiar as rodovias em detrimento das ferrovias. [S. l.]: Brasil Escola, 2016. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/por-que-brasil-adotou-utilizacao-das-rodovias-ao-inves-.htm. Acesso em: 01 abr. 2016.

SINDICATO DOS TERMINAIS MARÍTIMOS DE GRANÉIS SÓLIDOS E LÍQUIDOS EM GERAL E DE CONTAINERES. Intermodalidade no transporte: oportunidades de investimentos privados no Brasil. [S.l.]: SINTERMAR, 2015. Disponível em: http://www.sintermar.com.br/downloads/Logistica diagnostico.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

STENGER, G.; COSTA, L. A. M. O “extremo oeste paulista” nos planos nacionais de viação: 1850 – 1934. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO, 3., 2013, Campinas. Anais [...]. Campinas: PUC Campinas, 2013. Disponível em: https://www.puc-campinas.edu.br/websist/Rep/Sic08/Resumo/2013820_11168_375706947_resxpa.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Mobilidade urbana. [S. l.]: TCU, 2010. Disponível em: https://portal.tcu.gov.br/tcu/paginas/contas_governo/contas_2010/fichas/Ficha%205.2_cor.pdf. Acesso em: 01 maio 2016.

VASCONCELOS, E. A. Transporte urbano, espaço e equidade. São Paulo: FAPESP, 1996.

WORLD BANK. Brasil: aprimoramento do marco de avaliação de investimentos em infraestrutura de transportes rodoviários. [S. l.]: The World Bank Group, 2000. Disponível em: http://www.worldbank.org/en/search?currentTab=1&q=investimentos+em+transportes. Acesso em: 01 abr. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847285720202273



 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    

Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

 

Indexações:

                 


ÍNDICE H (GOOGLE SCHOLAR):

Índice h5 = 5

Índice h5 = Mediana 6


Metrics:

 

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.