Construção da equação do Indicador de Salubridade Ambiental (ISA/OP) da cidade de Ouro Preto (MG) para o gerenciamento do saneamento municipal urbano

Diogo Araújo Teixeira, José Francisco do Prado Filho, Aníbal da Fonseca Santiago

Resumo


O Indicador de Salubridade Ambiental (ISA) foi criado em 1999 objetivando medir o nível de salubridade ambiental dos municípios paulistas e usá-lo como ferramenta para o gerenciamento do saneamento ambiental municipal. Para avaliar outros locais, os pesos e indicadores que estão na formulação original do ISA podem ser adaptados às características da localidade a ser avaliada – o que é sugerido no manual de criação. Todavia, escolher e a atribuir os pesos dos indicadores que compõe o ISA é um desafio. Há estudos que arbitram indicadores e pesos conforme o julgamento do autor. Em outros, as escolhas são baseadas na revisão bibliográfica e literatura. Outros optam pelo método Delphi – apenas citam a metodologia, sem apresentar detalhes da utilização. O método Delphi baseia-se em repetidas consultas (rodadas) a um grupo de especialistas buscando obter consenso entre eles sobre determinado tema, obtendo uma opinião consolidada do grupo como resposta. O objetivo deste estudo foi utilizar o referido método como ferramenta para a construção da fórmula do ISA para a cidade de Ouro Preto - Minas Gerais (ISA/OP) e detalhar a aplicação da metodologia. Duas rodadas de perguntas foram feitas via e-mail para um grupo contendo 40 especialistas em salubridade ambiental urbana. O consenso foi obtido estatisticamente ao final da segunda rodada. Considera-se o emprego dessa metodologia adequado para a criação do ISA/OP, tornando-o um importante instrumento de planejamento e gestão ambiental, capaz de subsidiar tomadores de decisões da administração municipal no que tange à avaliação dos componentes socioambientais analisados na formulação do ISA/OP.

Palavras-chave


saneamento ambiental; indicador de salubridade ambiental; método delphi

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº. 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Ministério do Meio Ambiente. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2005.

BRIGGS, D.; CORVALÁN, C.; NURMINEN, M. Linkage methods for environment and health analysis - General guidelines. United Nations Environment Programme (UNEP), United States Environmental Protection Agency, Office of Global and Integrated Environmental Health, World Health Organization (WHO), Geneva 1996.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO (CETESB). Inventário estadual dos resíduos sólidos urbanos 2016. Série relatórios. 126f. São Paulo, 2017.

CONSELHO ESTADUAL DE SANEAMENTO (Conesan). ISA - Indicador de Salubridade Ambiental - Manual Básico. São Paulo, 1999.

COSTA, R. V. F. Desenvolvimento do Índice de Salubridade Ambiental (ISA) para comunidades rurais e sua aplicação e análise nas comunidades de Ouro Branco - MG. 2010. 185f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto - MG.

DIAS, M. C. Índice de Salubridade Ambiental em Áreas de Ocupação Espontânea: estudo em Salvador, Bahia. 2003. 171f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental Urbana) - Universidade Federal da Bahia, Salvador - BA.

DOMINGUES, E.; RIBEIRO, G. V. Indicadores ambientais no Sudoeste do Amazonas - uma experiência-piloto. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 58, n. 1/4, p.71-94, jan./dez. 1996.

FONSECA, A; PRADO FILHO, J. F. Um esquecido marco do saneamento no Brasil: o sistema de águas e esgotos de Ouro Preto (1887-1890). Revista História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v. 17, n. 1, p. 51-66, jan-mar 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Informações Básicas Municipais. Perfil dos municípios brasileiros: 2017. IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro, 2018.

MEBRATU, D. Sustainability and Sustainable Development: Historical and Conceptual Review. Environmental Impact Assessment Review, Nova York, p. 493-520, 1998.

OLIVEIRA, G. S. O modelo ISA utilizado no Diagnóstico da Salubridade Ambiental nos Bairros do Município de Juiz de Fora - MG. 2014. 114f. Monografia (Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora - MG.

OURO PRETO. Prefeitura Municipal de Ouro Preto. História de Ouro Preto. Disponível em: . Acesso em: 01 julho 2019.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO (PMOP). Plano Municipal de Saneamento Ambiental de Ouro Preto. Produto 2 - Diagnóstico da Situação do Saneamento Básico. Ouro Preto, 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO (PMOP). Plano Municipal de Saneamento Ambiental de Ouro Preto. Produto 8 - Relatório Final do Plano Municipal de Saneamento Básico - Documento Síntese. Ouro Preto, 2013.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA (SEI). Indicadores de Sustentabilidade Ambiental - Série Estudos e Pesquisas. Salvador, 2006.

TEIXEIRA, D. A. Construção e determinação do Indicador de Salubridade Ambiental (ISA/OP) para as áreas urbanas do município de Ouro Preto, MG. 2017. 154 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto - MG.

TEIXEIRA, D. A; PRADO FILHO, J. F; SANTIAGO, A. F. Indicador de salubridade ambiental: variações da formulação e usos do indicador no Brasil. Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental, v.23, n.3, p.543-556, mai./jun. 2018.

VICQ, R; SILVA, R. P; CAMPOS, F. D; RODRIGUES, D. A. P; Diagnóstico de Salubridade Ambiental nas Comunidades Rurais de Itabirito, Congonhas e Mariana - MG. 33º Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, Salvador, 2012.

VALVASSORI, M. L; ALEXANDRE, N. Z; Aplicação do Indicador de Salubridade Ambiental (ISA) para as áreas urbanas. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 25, set. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847286020202403

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

Indexações:

                  


Metrics:

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.