Desempenho energético em unidades habitacionais de interesse social certificadas pelo Selo Casa Azul: Caso do edifício HAB 2

Henriette da Silva Perbeils

Resumo


O Selo Casa Azul da Caixa econômica tem sido uma ferramenta importante na produção de habitação de interesse social sustentável, desde a sua criação em 2010, já certificou diversos empreendimentos voltados para habitação social em diferentes regiões do Brasil. Nesse contexto, este artigo tem como objetivo a análise do desempenho energético que o selo pode atribuir a unidades habitacionais de um edifício destinado a habitação popular. O empreendimento escolhido é o edifício HAB 2 e situa-se na comunidade do Morro da Babilônia, Rio de Janeiro, Brasil. Foi um dos resultados do programa Morar Carioca verde realizado na comunidade, e ganhou o Selo Casa Azul em nível ouro, tornando-se o primeiro empreendimento voltado para habitação popular a conquistar uma certificação ambiental, na cidade do Rio de Janeiro. Para analisar o desempenho energético, foram selecionadas duas unidades habitacionais do edifício, localizadas em condições mais desfavoráveis em termos de orientação solar das fachadas. Para avaliação foi utilizado o método prescritivo RTQ-R do Procel. Os dados referentes aos resultados são sistematizados e apresentados em tabelas. Por meio deles, comprovou-se que as duas unidades habitacionais avaliadas obtiveram bom desempenho energético, atingido o nível B de eficiência energética. Realizou-se também, de forma complementar, uma análise dos critérios alcançados pelo edifício HAB 2, visando detectar a distribuição da pontuação obtida nas categorias do Selo. Os resultados são expostos em gráficos e tabelas e revelam que o empreendimento contemplou todas as categorias estabelecidas, adotando inclusive a energia solar para aquecimento da água, na categoria de eficiência energética.

Palavras-chave


Certificações ambientais. Eficiência energética. Selo Casa Azul

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUITRAÇO - ESCRITÓRIO. Intervenções em favelas - Babilônia e Chapéu Mangueira. Disponível em: http://www.arquitraco.com.br/#/projeto Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

BARROSO-KRAUSE, Claudia et al. Eficiência Energética em Habitações de Interesse Social. Caderno Mcidades 9. Ministério das Cidades/Ministério de Minas e Energia, Brasil. 2005

BRASIL. Lei n. 10295, de 17 de outubro de 2001. Dispõe sobre a Política Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 2001. Disponível em: www.inmetro.gov.br/qualidade/lei10295.pdf Acessado em 18 de janeiro de 2019.

BRASILEIRO, Alice et al. Influência das esquadrias na classificação do nível de eficiência energética de habitações no RJ. In: XV Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - Maceió, ENTAC, p.580-590, 2014.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Boas práticas para habitação mais sustentável. São Paulo. Editora: Páginas e Letras – Editora e Gráfica, 2010.

CASTRO FILHO, Hélio Antônio Rossi de. 2013. Percepção de empresas construtoras em relação aos programas de classificação da sustentabilidade de projetos de construção habitacional: um estudo de caso Selo Casa Azul Caixa. Porto Alegre/RS: UFRS, 2013.

JOHN, Vanderleu Moacyr; PRADO, Racine Araújo Tadeu. Selo Casa Azul: boas práticas para habitação mais sustentável. São Paulo: Páginas & Letras - Editora e Gráfica, 2010.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. 2012. Secretaria Municipal de Habitação, Morar Carioca, 2012. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/web/smh/exibeconteudo?article-id=1451251 Acessado em: 12 de dezembro de 2018

ROMERO, Marta Adriana Bustos. O Desafio da Construção das Cidades. AU Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, Janeiro. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847274620192002



 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    

Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

 

Indexações:

                 


ÍNDICE H (GOOGLE SCHOLAR):

Índice h5 = 5

Mediana h5 =  6


Metrics:

 

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.