O marketing urbano e a inserção da cidade no fluxo econômico global: reflexões a partir do caso de São José dos Campos

Marina Cyrino Forti, Fabiana Felix do Amaral e Silva

Resumo


Tomando como pano de fundo o modelo de urbanização neoliberal, onde, segundo Harvey (2005) o território é a última fronteira do capital e segue a lógica do mercado, o presente artigo propõe analisar como a intervenção urbana faz parte desta lógica, onde o marketing urbano é um mecanismo e uma estratégia utilizada pelas cidades ditas como globais para inserção nos fluxos econômicos. O recorte de estudo é a dinâmica urbana e a análise da lógica neoliberal da cidade de São José dos Campos, situada na Região Metropolitana do Vale do Paraíba, no interior do estado de São Paulo, a qual foi analisada por meio do levantamento de materiais iconográficos. A cidade pertence ao setor terciário na economia e constantemente utiliza técnicas do marketing urbano, sendo assim, o objetivo deste artigo foi analisar quais são essas estratégias e quais são suas consequências. Desta forma, é preciso debater a competição interurbana, novos modelos de gestão e a táticas de consenso público, os quais visam uma imagem positiva e uma paisagem passível de investimentos e desenvolvimento, atendendo às necessidades e anseios de determinados indivíduos e organizações, como grupos de grande capital, bancos e agências multilaterais.  

Palavras-chave


competição interurbana; cidade global; hierarquias urbanas; marketing urbano; São José dos Campos.

Texto completo:

Português

Referências


ARANTES, P. F. O ajuste urbano: as políticas do Banco Mundial e do BID para as cidades latino-americanas. 2004. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

ASCHER, F. Métapolis ou l’avenir des villes. Paris: Odile Jacob, 1995.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa. Projeto de Lei Nº 495, de 17 de abril 2019. Declara o Município de São José dos Campos "Capital Estadual da Indústria Aeroespacial - Capital do Avião". Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1000264022. Acesso em: 20 jun. 2020.

AUGÉ, M. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. 9. ed. Campinas: Papirus, 1994.

BORJA, J. e CASTELLS, M. (1996) As cidades como atores políticos. Revista Novos Estudos, São Paulo, nº 45, 1996, p. 152-166.

______. Local y global: la gestión de las ciudades en la era de la información. Madrid: Taurus, 1997.

BORJA, J. e FORN, M. Políticas da Europa e dos Estados para as cidades. Espaço & Debates, São Paulo, nº 39, 1996, p. 32-47.

CODAZZI, G. Boeing e Embraer, o acordo que não decolou. Jornal O Vale, São José dos Campos, 26 abr. 2020. Disponível em: https://www.ovale.com.br/_conteudo/editoria__novo/2020/04/102448-editorial--boeing-e-embraer--o-acordo-que-nao-decolou.html. Acesso em: 20 jun. 2020.

COMPANS, R. (1999) O paradigma das global cities nas estratégias de desenvolvimento local. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Rio de Janeiro, nº 1, 1999, p. 91-114.

COSTA, P. E. O. Legislação urbanística e crescimento urbano em São José dos Campos. 2007. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FORN, M. Estratégias de transformación urbana y econômica. Barcelona: Mimeo, 1993.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

______. L’accumulation flexible par l’urbanisation: réflexions sur ‘post-modernisme’dans la grande ville americaine. Futur Antérieur, Paris, nº 29, 1995, p. 121-45.

______. Do gerenciamento ao empreendedorismo: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço & Debates, São Paulo, nº 39, 1996, p. 48-64.

______. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

LEFEBRE, H. El derecho a la ciudad. Barcelona: Península, 1978.

LYNCH, K. A Imagem da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MAGNANI, J. G. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 49, n. 17, 2002, p. 11-28.

MIURA, V. T. Da imagem construída e imagem percebida: os marcos referenciais urbanos na paisagem de São José dos Campos – SP. 2006. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento, Universidade Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2006.

SANCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos, 2003.

SANTOS, A. Arquitetura Industrial - São José dos Campos. São José dos Campos: Ademir Pereira dos Santos, 2006.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio-técnico científico informacional. São Paulo: EDUSP, 2008

SASSEN, S. The global city: New York, London, Tokyo. Nova Jersey: Princeton University Press, 1996

SILVA, D. A. Planejamento urbano, campo intelectual e sistema simbólico: a vida no banhado, cartão postal de São José dos Campos (1937-2016). 2020. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento, Universidade Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2020.

SOUZA, M. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand, 2001.

VAINER, C. B. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. In: Arantes, O.; Vainer, C. e Maricato, E. A cidade do pensamento único. Petrópolis: Editora Vozes, 2000. p. 75-103.

VELTZ, P. Mondialisation, villes et territoires: L’Économie d’archipel. Paris: PUF, 1996.

ZANETTI, V. São José dos Campos, da doença e dos ares – entre a identidade e a indiferença. In: Papali, M. A. Histori(cidades): um olhar multidisciplinar. São Paulo: Annablume, 2008. pp. 27-52.




DOI: http://dx.doi.org/10.17271/2318847286320202502



 

ISSN Eletrônico: 2318-8472    

Digital Object Identifier (DOI): 10.17271/23188472

 

Indexações:

                 


ÍNDICE H (GOOGLE SCHOLAR):

Índice h5 = 5

Índice h5 = Mediana 6


Metrics:

 

 

 Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.